segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Roupeiro...essa fábrica de horrores


Que atire a primeira nécessaire a mulher que nunca abriu o roupeiro e não teve vontade de se enforcar na primeira echarpe que aparecesse...antes que apareçam exemplares masculinos dizendo que “isso é bem coisa de mulher mesmo”, eu já vou explicando: não é que a gente não tenha roupa, ora bolas. É que de vez em quando a gente não tem roupa para aquela ocasião! É muito fácil ficar falando quando tudo que vocês precisam é de uma camisa, um terno, uma calça social e um sapato! Então, “shhhhh” vocês aí!

Mas esse não é bem o ponto que eu quero chegar. Eu quero chegar é nas conseqüências que acarretam anos e anos de compras e anos e anos de mudanças no corpo para a mulher. Não adianta, envelhecemos (ops, quer dizer, ganhamos experiência hehe). Eu mesma, antes que estivesse esperando por isso, já estou encarando um Jubileu de Prata no final do ano. E eventos como a adolescência, o casamento, a maternidade, fazem o estilo e os manequins da mulherada mudarem da noite para o dia.

Quem aqui não tem uma calça 40 da época de adolescência e fica pensando “como é que eu entrava aqui?”. Faz pior: guarda a calça para um dia entrar nela de novo (sooonha que a Pepsi paga...). Não adianta mulher, o corpo não é mais o mesmo, só ficando doente para voltar aquele tamanho...você não é mais uma menina...

Mas insistimos. Acaba que 70% do nosso roupeiro está abarrotado de coisas que não usamos mais.

E quando, no meio daquela “limpa”, você olha para a calça e para uma outra blusinha, guardada desde a época que você ainda não tinha tanto peito, e encasqueta que vai colocar ela de novo. Coloca a blusa, se olha no espelho, e acha que foi embalada à vácuo! Mas ainda assim, você insiste. Afinal, para aquela blusinha em particular, nada mais bonitinho do que esta calça aqui, que você segura nas mãos e sua bunda olha para ela e diz: “tá de brincadeira, né? Quer me matar sufocada?”

Hora da calça. Você que está lendo este post já deve estar rindo sozinha, pois sabe do que eu to falando! Coloca a primeira perna, coloca a segunda...a calça foi até o joelho sem grandes problemas. Vai subindo ela coxa acima (no rebolation, tion, tion, rebolation...o rebolation, tion, tion, rebolation). Chegou na cintura! Dois palmos entre o botão e a casinha que a ele pertence. Como um náufrago tentando alcançar comida, você encolhe a barriga até ficar meio tonta e tenta de todas as formas puxar os lados da calça para que ela feche. Se atira no chão, sobe na cama, pula (tudo isso ainda com a barriga encolhida). Até que, sabe-se lá Deus como, o botão fecha. Você olha no espelho, vira de costas...sua bunda pedindo socorro, agoniada. Vira de frente, começa a ver o botão da calça tremer. O marido entra no quarto e vê a cena. A última coisa que ele consegue gritar para si mesmo é “ABAAAAAIXAAAAA”!

Buuuum! O botão explode e sai como um tiro. Quebra o espelho. Você fica lá, parecendo o incrível Hulk, com o roupa rasgada e ofegante. Sua bunda nesse momento está dizendo “aaaahhhh que alívio”. A você, só falta o desespero. Mas não foi falta de aviso...

Roupeiro, essa fábrica de horrores...

2 comentários:

Carine disse...

Oi! Já conhecia o seu outro blog e "descobri" esse hj..adorei! Me identifiquei e me diverti muito tb. Aqui em casa somos 3 irmãos,sendo 2 mulheres e descendentes de italianos(imagina a gritaria qdo se juntam)...parece tu e tua irmã, água e vinho, só a cara igual rsrsrs...Parabéns! Virei fã! Bjss.

Lu CY disse...

Ai, ai... kkkk
O pior é que para tirar também é difícil... também, depois do esforço de ter colocado!!! Cena cruel!
Nobody deserve!!!

Beijo

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails